Superlua dos Cervos ocorre na quarta: veja dicas para observação e curiosidades

Será a segunda vez no ano que fenômeno ocorre, após a Superlua de Morango em junho.

A noite de quarta-feira (13/7) terá a atração da Superlua dos Cervos, quando o satélite atingirá seu ponto mais próximo da Terra em 2022 em seu movimento de órbita – o que representará uma distância de 357.263 quilômetros. 

É a segunda vez no ano que ocorré um fenômeno deste tipo, depois da Superlua de Morango do mês passado.

“Superlua é um termo popular para quando a fase de lua cheia acontece no ‘perigeu-syzígia’, ponto em que a Lua fica mais próxima da Terra na sua órbita. Essa superlua de julho tem o diferencial de estar mais próxima do que a do mês passado”, diz Cassio Barbosa, astrofísico do Centro Universitário da FEI. 

“Ela aparece no céu um pouco maior do que habitualmente e um pouco mais brilhante. Em locais muito escuros, dá para perceber um aumento de brilho.”

Uma sugestão em todo o Brasil é fazer a observação logo após a Lua surgir, aproximadamente às 17h45, e tentar um local com horizontes mais amplos. 

“Para que você tenha elementos para comparar o tamanho, como uma árvore, um prédio, uma montanha. Envolve um fenômeno de ilusão de ótica”, diz o astrofísico. Nosso cérebro percebe a Lua desta forma quando o satélite é observado nessas condições.

O nome Lua dos Cervos está relacionado à época em que a galhada desses animais volta a crescer e faz parte da tradição da tribo indígena Algonquin, do nordeste do Canadá. 

Ela também é chamada no Hemisfério Norte de Lua de Trovão por causa da associação com as pancadas de chuva do verão nessa parte do mundo, afirma Barbosa.

“Superlua” não é um termo oficial da astronomia, que se refere a este fenômeno como “lua cheia perigeana”. 

O nome “superlua” foi criado em 1979 pelo astrólogo americano Richard Noole para designar “uma Lua nova ou cheia que ocorre quando a Lua chega ou está perto (pelo menos 90%) de sua maior proximidade da Terra”. 

No entanto, o termo se popularizou como uma referência a quando a Lua está cheia nesta posição. 

Conforme explica a Nasa, isso ocorre porque o satélite orbita a Terra em uma trajetória elíptica a cada 27,3 dias. Assim, ela se aproxima e se afasta do nosso planeta conforme percorre esse caminho.

Maio teve eclipse e lua de sangue

Pouco depois da 0h30 de 16 de maio, no horário de Brasília, a Terra orbitou exatamente entre o Sol e a Lua por alguns minutos. 

A Lua ficou eclipsada pela Terra e adquiriu temporariamente uma cor vermelha escura profunda.

Isso acontece porque a luz solar é projetada através da atmosfera da Terra para a superfície sombreada da Lua. 

No Brasil e nos Estados Unidos, onde houve céu limpo, o espetáculo foi plenamente apreciado. Na Europa, o fenômeno só foi visível por um curto período de tempo. 

“Se você fosse um astronauta na Lua, olhando para a Terra, veria um anel vermelho se expandindo ao redor do nosso planeta”, disse Gregory Brown, astrônomo do Observatório Real de Greenwich, em Londres, em entrevista à BBC. 

Veja imagens do fenômeno em diferentes países: 

Na última madrugada, a Lua ficou vermelha — Foto: REUTERS/BBC

Na última madrugada, a Lua ficou vermelha — Foto: REUTERS/BBC

A super lua de sangue vista da Macedônia do Norte — Foto: BBC/EPA

A super lua de sangue vista da Macedônia do Norte — Foto: BBC/EPA 

Superlua vista acima do obelisco de Washington, capital dos EUA — Foto: BBC/EPA
Superlua de sangue vista na Hungria — Foto: EPA/BBC

Superlua de sangue vista na Hungria — Foto: EPA/BBC

Fonte: bbc News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.