Bolsonaro teria desistido de indicar Feder para ministro da Educação

Então, FEDER vai ser ou não ministro da educação, até onde vai essa novela?

Depois de receber críticas de aliados do governo o presidente busca nova opção; outros nomes entra no radar

Ao longo do final de semana, cresceram os indicativos de que o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, novamente não será confirmado para o comando do Ministério da Educação (MEC)

Reportagem do PORTAL INFLUÊNCIA deste sábado (4) apontou que um novo nome já estaria sob avaliação do Planalto: o do reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Aristides Cimadon. A sugestão teria partido de parlamentares da bancada catarinense. 

Desde a sexta-feira (3), apoiadores do presidente Jair Bolsonaro pressionam para que o nome de Feder seja descartado. A campanha de resistência teria a participação ainda dos filhos do presidente e de integrantes de setores religiosos.

No entanto, a reunião que o presidente Jair Bolsonaro teria com Feder na segunda-feira (6) não existirá. No sábado, durante visita a Santa Catarina, o presidente informou que ainda não definiu o nome do novo ministro.

Aliados do secretário paranaense disseram que, se a notícia se confirmar, será uma “desonra” e humilhação” para o secretário. O nome de Feder já havia sido cotado para a vaga deixada por Abraham Weintraub, mas o presidente Jair Bolsonaro acabou optando por Carlos Alberto Decotelli, que ficou cinco dias no cargo.

Feder passou a ser bombardeado logo após aparecer como o provável indicado. Consultado o vice-presidente da República Hamilton Mourão negou qualquer definição.

Cimadon, que seria o novo cotado, está no quinto mandato como reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), para o quadriênio 2016-2020. Possui graduação em Filosofia e Pedagogia, ambas pela Universidade de Passo Fundo (RS), e Direito pela Unoesc. É mestre em Educação, pela PUCRS, e mestre em Direito, pela UFSC.

Sua trajetória acadêmica inclui, ainda, o doutorado em Ciência Jurídica, pela Universidade do Vale do Itajaí, e é marcada pelo exercício docente no Ensino Superior. AS informações são do site da Unoesc.

Por Erasto Correia

198 thoughts on “Bolsonaro teria desistido de indicar Feder para ministro da Educação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *